Área do cabeçalho
gov.br
Portal da UFC Acesso a informação da UFC Ouvidoria Conteúdo disponível em: PortuguêsEnglishEspañol

Universidade Federal do Ceará
Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução

Área do conteúdo

Áreas Temáticas – Robert de Brose

1) Tradução e Recepção dos Clássicos

Descrição: Nessa área temática, aceitam-se projetos de pesquisa que pretendam:

a)traduzir, anotar e/ou comentar obras da antiguidade clássica greco-romana ou sânscrita: neste caso, o proponente do projeto deve ter obrigatoriamente proficiência leitora na língua-alvo (i.e., grego, latim ou sânscrito) para ser capaz de levar o projeto adiante. Vale lembrar que todos os projetos devem contemplar não apenas a tradução da obra escolhida mas também os paratextos necessários para a sua contextualização, isto é, introdução, notas e, opcionalmente, caso haja tempo hábil, um comentário. O proponente deve estar atento ao tempo máximo de conclusão do mestrado, que é de 24 meses, e escolher uma obra ou trecho de obra com extensão compatível com esse prazo e com o seu nível de proficiência. Por exemplo, no caso de poesia, o texto deve ter, no máximo, até 1500 versos. No caso de prosa, não exceder 20.000 palavras.

b)explorar a recepção das obras da antiguidade clássica greco-romana ou sânscrita na atualidade: neste caso, o proponente pode apresentar um projeto que explore tanto a recepção de um determinado autor ou obra, em qualquer língua, ou, então, que reflita sobre a tradição clássica em uma determinada cultura/ literatura/ obra. Por exemplo (essa não é uma lista exaustiva), a recepção da cultura clássica na obra de Dante Alighieri ou, então, apenas naDivina Comédia; a tradição clássica no Brasil ou em autores/ obras brasileiras; a recepção clássica no cinema ou em outras artes contemporâneas, como a música, os quadrinhos, etc. Há muitas veredas que podem ser exploradas dentro dessa perspectiva. Outra vez, no entanto, o proponente deve adequar a amplitude do seu projeto ao prazo máximo de 24 meses.

Projetos nessa área serão cadastrados no Grupo de Pesquisa do CNPq Tradução e Recepção dos Clássicos e estarão vinculado ao Grupo de Pesquisa POET “Tradução, Recepção e Filologia Clássica”.

Palavras-chave: literatura clássica, tradução, tradução comentada, recepção, teoria da tradução, teoria da recepção

Bibliografia:

  1. Benjamin, W. “Charles Baudelaire, Tableaux Parisiens.” Walter Benjamin Gesammelte Schriften. Ed. Rexroth, Tilma. Vol. IV. Frankfurt am Maim: Suhrkamp, 1923 [1991]. 9-21. Print.
  2. Brose, R. de. “Da Fôrma Às Formas: Metro, Ritmo E Tradução Do Hexâmetro.” Cadernos de Tradução (UFSC) 35.2 (2015): 124-60. Print.
  3. —, ed. Pervivência Clássica. Belo Horizonte: Moinhos, 2019. Print.
  4. Brose, R. de, A.A.de Araújo, and A. M. C. Pompeu, eds. Oralidade, Escrita E Performance Na Antiguidade. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2013. Print.
  5. Brose, R. de, and W. Costa, eds. Poesia & Tradução. Fortaleza: Substânsia, 2017. Print.
  6. Brunhara, R. “A Tradução Da Lírica Grega Arcaica No Brasil.” Pervivência Clássica. Ed. Brose, Robert de. Belo Horizonte: Moinhos, 2019. 77-90. Print.
  7. de Fátima Silva, M., and M. das Graças de Moraes Augusto, eds. A Recepção Dos Clássicos Em Portugal E No Brasil. Coimbra: Imprenta Universidade de Coimbra, 2015. Print.
  8. Hardwick, L., and C. Stray. A Companion to Classical Receptions. Wiley, 2008. Print.
  9. Heidermann, W., ed. Clássicos Da Teoria Da Tradução: Alemão-Português. 2001. Trans. vários. 2ª ed. Vol. 1. Florianópolis: NIPLIT – UFSC, 2010. Print.
  10. Schleiermacher, Friedrich D. E., ed. Ueber Die Verschidenen Methoden Des Uebersetzens. 1838. 2ª ed. Vol. 1. Florianópolis: NUPLIT, 2010. Print.

2) Tradução de poesia

Descrição: Nessa área temática aceitam-se projetos de tradução de poesia lato sensu, isto é, textos marcados pela função poética da linguagem como definida por Jakobson, sejam eles escritos (literaturas) ou orais (oraturas). Além disso, os projetos podem ter como objeto tanto textos modernos, quanto antigos, preferencialmente nas seguintes línguas: alemão, espanhol, francês, grego moderno, inglês, italiano e nórdico antigo. Textos em grego, latim e sânscrito devem ser inscritos para a Área Temática 1. O proponente deve estar atento ao fato de que o curso de Mestrado tem a duração máxima de 24 meses e, portanto, deve escolher uma obra para traduzir que seja compatível tanto com esse prazo quanto com a sua proficiência na língua-alvo. Além disso, a tradução é apenas uma parte da dissertação: toda tradução deve vir acompanhada de paratextos que a contextualizem, isto é, no mínimo de uma introdução e notas e, caso haja tempo hábil, também de um comentário. Assim, no caso de poemas épicos, por exemplo, pode-se escolher 1 canto; no caso de poesia lírica, uma seleção de 5-10 poemas que apresentem uma unidade temática ou reflitam um interesse de pesquisa do proponente. Em alguns casos, um único poema de longa extensão pode ser escolhido. Por exemplo, o poema Mythistórema de Yorgos Seféris, devido à sua extensão, seria mais do que suficiente para uma dissertação de mestrado.

Esta área temática está vinculada ao projeto “Tradução Comentada e Anotada”, cujo líder é o Prof. Luana Ferreira de Freitas.

Palavras-chave: teoria da tradução, poesia, poesia oral, oralidade, linguística cognitiva, análise do discurso

Bibliografia:

  1. Benjamin, W. “Charles Baudelaire, Tableaux Parisiens.” Walter Benjamin Gesammelte Schriften. Ed. Rexroth, Tilma. Vol. IV. Frankfurt am Maim: Suhrkamp, 1923 [1991]. 9-21. Print.
  2. Bakker, E.J. Poetry in Speech: Orality and Homeric Discourse. Myth and Poetics. Ithaca/ London: Cornell University Press, 1997.
  3. Campos, Haroldo de. Transcriação. Estudos. Eds. Tápia, M and Thelma M. Nóbrega. Vol. 315. São Paulo: Perspectiva, 2013. Print.
  4. Cercel, L., ed. Übersetzung Und Hermeneutik/ Traduction Et Herméneutique. Bucharest: Zeta Books, 2009. Print.
  5. Finnegan, R. Oral Poetry. Cambridge: Cambridge University Press, 1980. Print.
  6. Heidermann, W., ed. Clássicos Da Teoria Da Tradução: Alemão-Português. 2001. Trans. vários. 2ª ed. Vol. 1. Florianópolis: NIPLIT – UFSC, 2010. Print.
  7. Jakobson, R. “Linguistics and Poetics.” Language in Literature. Eds. Pomorska, K. and S. Rudy. Michigan: Belknap Press, 1987. 62-94. Print.
  8. —. “On Liguistic Aspects of Translation.” Roman Jakobson Selected Writings. Vol. 2. The Hague, Paris: Mouton, 1971. 260-66.
  9. Ong, W.J. Orality and Literacy. New Accents: Routledge, 2004 [1982]. Print.
  10. Thomas, R. Oral Tradition and Written Record in Classical Athens. Cambridge Studies in Oral Literature and Culture. Eds. Burke, P. and R. Finnegan. Cambridge: Cambridge University Press, 1989. Print.

3) Teorias da Tradução

 Descrição: nessa área temática aceitam-se projetos que se destinem a explotar teorias e/ ou filosofias da tradução. O tipo de projeto que se espera, portanto, é o de uma reflexão teórica acerca da natureza da tradução. Essa reflexão pode se dar das seguintes formas: a) por meio da tradução de uma obra relativamente curta de um determinado autor, com o consequente acompanhamento de paratextos, isto é, introdução, notas e/ou comentário crítico; b) por meio da exploração crítica da bibliografia de um único e determinado autor, ou, finalmente, c) por meio da exploração crítica da bibliografia de uma determinada teoria, por exemplo, da hermenêutica da tradução. O proponente deve estar atento ao fato de que o curso de Mestrado tem a duração máxima de 24 meses e, portanto, deve escolher uma obra para traduzir que seja compatível tanto com esse prazo quanto com a sua proficiência na língua-alvo. Além disso, a tradução é apenas uma parte da dissertação: toda tradução deve vir acompanhada de paratextos que a contextualizem, isto é, no mínimo, de uma introdução e notas e, caso haja tempo hábil, também de um comentário. Dessa forma, para o caso de tradução de uma determinada obra, nenhum texto escolhido deve, a princípio, exceder a extensão de 20.000 palavras, se estiver em língua estrangeira, ou de 25.000, se estiver em português e essa for a primeira língua do candidato.

Palavras-chave: estudos da tradução, teoria da tradução, filosofia da tradução, tradutologia, hermenêutica tradutória, linguística cognitiva

BENJAMIN, W. “Charles Baudelaire, Tableaux Parisiens.” Walter Benjamin Gesammelte Schriften. Ed. Rexroth, Tilma. Vol. IV. Frankfurt am Maim: Suhrkamp, 1923 [1991]. 9-21. Print.

CAMPOS, Haroldo de. Transcriação. Estudos. Eds. Tápia, M and Thelma M. Nóbrega. Vol. 315. São Paulo: Perspectiva, 2013. Print.

CERCEL, L., ed. Übersetzung Und Hermeneutik/ Traduction et Herméneutique. Bucharest: Zeta Books, 2009. Print.

GAMBIER, Y., VAN DOORSLAER, L. Handbook of Translation Studies. 2 vols. John Benjamins Publishing Company: Amsterdam/Philadelphia, 2010.

HEIDERMANN, W., ed. Clássicos Da Teoria Da Tradução: Alemão-Português. 2001. Trans. vários. 2ª ed. Vol. 1. Florianópolis: NIPLIT – UFSC, 2010. Print.

JAKOBSON, R. “Linguistics and Poetics.” Language in Literature. Eds. Pomorska, K. and S. Rudy. Michigan: Belknap Press, 1987. 62-94. Print.

—. “On Liguistic Aspects of Translation.” Roman Jakobson Selected Writings. Vol. 2. The Hague, Paris: Mouton, 1971. 260-66.

RAWLING, J. P.; WILSON, P. The Routledge Handbook of Translation and Philosophy. Routledge: United Kingdom, 2018.

SCHLEIERMACHER, F. Hermeneutics and Criticism and Other Writings. Translated and Edited by Andrew Bowie. Cambridge University Press: Cambridge, 1998.

VENUTI, L. The Translation Studies Reader. 3ª ed. Routledge: New York, 2012 [2000].

Acessar Ir para o topo